O Verão e as pedras nos rins

Segundo a medicina tradicional chinesa, durante verão, o calor combinado com uma alimentação mais desregrada aumenta a incidência de casos de cálculo renal. Ela se fundamenta na teoria que o calor somado à umidade do ar são os principais vilões na gênese das pedras que ficam alojadas nos rins. Devido ao fato que os homens sentem mais calor que as mulheres, esse número torna-se alarmante para o sexo masculino, que é mais afetado por esse problema.
Outros fatores são de suma importância como a alimentação. Este princípio serve também para a explicação dos cálculos biliares. Pessoas que sentem muito calor e transpiram abundantemente têm maior propensão à formação de cálculos renais. O outro fator é o genético, já que traz os traços metabólicos familiares.
Aqui no ocidente, não temos o hábito de alimentar de forma a respeitar as mudanças climáticas e as variações sazonais de épocas do ano. Qualquer época se come feijoada e se consome muito óleo (são alimentos quentes), já na cultura milenar oriental, os alimentos são conceituados como a fonte da saúde, por isso se utilizados inadequadamente poderão ser vetores de doenças. Os alimentos têm papel fundamental para a saúde, principalmente a dos nossos rins.
As proteínas, que são fontes de compostos nitrogenados, são outros fatores de formação de pedras nos rins devido à presença do ácido úrico. O ácido é “quente” e junto com a umidade do verão tende a se exacerbar formando cálculos. Por isso, o número de pessoas que sofrem com pedras nos rins é maior em países desenvolvidos, onde a alimentação é mais rica em proteínas.
Outro fator é o sódio contido no sal. Ele impede a absorção de cálcio pelo organismo, provocando a desmineralização óssea pois, é desse mineral que são formados 70% dos cálculos renais. Refeições como churrasco, feijoada e os petiscos dos bares como o camarão e muita fritura, são bastante nocivas aos rins, já que tem excesso tanto de sal quanto de proteínas. Escarola, espinafre, chá preto, chá mate, além de chocolate, também agem negativamente para a formação de cálculos pois possuem fosfato, além de serem de “energia quente”. Quem já tem tendência aos cálculos deve evitar.
Evitando a formação de Cálculos Renais
A hidratação é a principal maneira de se proteger da formação de um cálculo no rim. A água é de energia “fria”, contrabalança o calor, refresca e acalma. A água além de tudo é um sonífero para quem tem insônia no verão. Quanto mais água bebermos, mais o nosso sangue circulará e ficará diluído, facilitando o trabalho dos rins na hora de excretar nutrientes que não são mais necessários em nosso organismo.
Para saber a quantidade de água indicada para ser consumida, basta multiplicar o seu peso corporal por 0,03. Assim, uma pessoa com 70 quilos, por exemplo, deve tomar aproximadamente 2,1 litros de líquido por dia. Pode ser água, chá, água de coco, sucos e tudo que hidrate e refresque.
Outra medida de suma importância para evitar o aparecimento das “pedrinhas ou da areia renal” é muito saborosa que é a ingestão do suco de limão e o suco de laranja que possuem citrato, uma substância que inibe a formação de cálculos renais e dissolvem a areia formada nos rins. Outro componente que antes era considerado inimigo daqueles com tendência à cálculos renais, agora passou para o lado dos aliados da saúde dos rins é o tomate.
Os médicos achavam que o oxalato de cálcio contido nas sementes dessa fruta poderia contribuir para a formação de pedras nos rins. Mas recentes estudos mostraram que as sementes de tomate só tem 1% dessa substância, o que não é o bastante para provocar malefícios aos rins. Além disso, o tomate possui quantidades significantes de citrato, a mesma substância encontrada nos frutos cítricos, que impede a formação de pedras.
Não se esqueça; pedra boa é a que está presa nas jóias por isso, tome muito líquido e um bom verão para todos.
Até a próxima

Comentários estão fechados