Crise de água divide os especialista

Enquanto a população mundial triplicou no século 20, o consumo de água aumentou seis vezes. Nos próximos 50 anos, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima que a população vá aumentar de 40 a 50%, quando o globo atingirá a cifra de 10 bilhões de moradores e mais de 45% deles não poderão contar com a porção mínima individual de água para necessidades básicas.

Tal crescimento, associado à industrialização e crescente urbanização, provocará um aumento de demanda por água potável que é uma das mais sérias ameaças ao desenvolvimento e à paz no planeta, na visão do Conselho Mundial da Água, organismo multinacional criado em 1996 por cientistas e entidades do setor e sediado em Marselha, na França.

? A ONU considera que cada pessoa precisa de pelo menos 50 litros diários de água, para beber, tomar banho, cozinhar e outras necessidades. Atualmente, mais de 1,1 bilhão de pessoas já não contam com este mínimo. Um terço da população mundial vive em países que sofrem com a falta d’água. Para 2025,  espera-se que esta cifra aumente para dois terços ? afirma Alex Kirby, especialista em meio ambiente da rede britânica de comunicação BBC.

Aprende-se na escola que 70% da superfície da terra são cobertos por água. E que 97% dessa água estão nos oceanos, portanto, é salgada e imprópria para consumo humano ou mesmo para uso em irrigação. Dos 3% restantes de água potável, apenas um décimo está em rios e lagos ? os outros 90% da água potável estão congelados.

Mesmo diante da realidade desses números, muitos especialistas consideram que a “ameaça iminente de escassez” não passa de uma mistificação. O geólogo gaúcho Pedro Jacobi, que já trabalhou em projetos geológicos e de prospecção em três diferentes continentes, diz que os dados da ONU sobre o assunto promovem uma “histeria coletiva”.

-Apesar de termos a impressão de que a água está desaparecendo, a quantidade de água na Terra é praticamente invariável há centenas de milhões de anos. O que muda é a sua distribuição e seu estado. A água somente passa a ser perdida para o consumo basicamente graças à poluição e à contaminação, nunca devido ao assoreamento, como muitos dizem. São estes fatores que irão inviabilizar a reutilização, causando uma redução do volume de água aproveitável da Terra-, explica Pedro Jacobi, articulista do site www.geologo.com.br.
Fonte: Jornal do Senado

Comentários estão fechados