Fera Radical: Movida pela fúria

Foto de Cláudia, vivida por Malu Mader
“Fera” e “radical” formam a combinação perfeita que simboliza a personalidade de Cláudia, a primeira protagonista de Malu Mader em novelas. Cheia de atitude, a motoqueira carrega todo o rancor de um passado marcado por injustiças e as fortes lembranças do extermínio de sua família.
Inspirada na peça A Visita da Velha Senhora, do suíço Friedrich Dürrenmatt, Fera Radical conta a história de Cláudia (Malu Mader), que deixa o Rio de Janeiro e retorna à pequena cidade de Rio Novo disposta a se vingar do extermínio de sua família, ocorrido 15 anos antes. A jovem consegue trabalho como analista de sistemas na Fazenda Olho d’Água, cujos proprietários são os suspeitos do assassinato de seus pais e irmãos.
Cláudia planeja destruir todos os envolvidos, mas se surpreende com a demonstração de amizade e carinho de Altino Flores (Paulo Goulart), o patriarca da família, que vive preso a uma cadeira de rodas. Obstinada com a ideia de vingança, Cláudia tenta de todas as formas agir friamente, mas acaba se envolvendo com os dois filhos de Altino, Heitor (Thales Pan Chacon) e Fernando (José Mayer), por quem se apaixona de verdade.
A jovem ainda tem de enfrentar a perseguição de Joana (Yara Amaral), mulher de Altino, que descobre sua verdadeira identidade. Joana não gosta da moça, sobretudo por saber que, após a morte dos pais, ela fora criada por Marta (Laura Cardoso), antigo amor de Altino. Marta, então uma cafetina, adotou a menina e a levou para o Rio de Janeiro.
O romance entre Cláudia e Fernando engata, e os dois marcam a data do casamento. Porém, quando ela está se preparando para a cerimônia, já vestida de noiva, Joana a ameaça com um revólver. As duas brigam, e a arma dispara, matando Joana. Cláudia vai a julgamento, e é absolvida no último capítulo da novela. Fernando entra a cavalo no tribunal para resgatá-la.
A vilã
Uma mescla de vilania com excesso de proteção. Essa é Joana, personagem de Yara Amaral em “Fera Radical”, que marcou sua despedida do público. No fim de 1988, ano em que a novela foi ao ar na Globo, a atriz foi vítima fatal do naufrágio do Bateau Mouche, no Rio de Janeiro.
Parceira de Altino há mais de 30 anos, a matriarca da família Flores é zelosa ao cuidar da fazenda e dos herdeiros: Heitor (Thales Pan Chacon), Fernando (José Mayer) e Olívia (Denise Del Vecchio).
A vilã faz de tudo para evitar as armações da rival e desperta ainda mais antipatia pela nora, ao descobrir que Cláudia foi criada por Marta (Laura Cardoso), antigo amor de Altino (Paulo Goulart). Marta é uma cafetina, que adotou a menina e a levou para longe de Rio Novo.
Escrita por Walther Negrão – com colaboração de Luiz Carlos Fusco, Ricardo Linhares e Rose Calza -, a novela tem a vingança como enredo principal.
Ficha Técnica
Autoria: Walther Negrão
Colaboração: Luiz Carlos Fusco, Ricardo Linhares e Rose Calza
Direção-geral: Gonzaga Blota
Direção: Gonzaga Blota e Denise Saraceni
Emissora: TV Globo
Período de exibição: 28/03/1988 – 19/11/1988
Horário: 17h55
Nº de capítulos: 203
A novela foi reapresentada entre dezembro de 1991 e maio de 1992, em Vale a Pena Ver de Novo.

Comentários estão fechados