Exames em Irmã Germana é o primeiro registro médico-legal brasileiro

O jornalista Miguel Ribeiro Gomide, ao ler o folder sobre Caeté e a citação sobre a irmã Germana, personagem de um caso raro e fantástico ocorrido na Serra da Piedade, localizou também texto do médico legista da Polícia Civil, Chitobaldo Motta de Almeida, em que trata do caso.

O autor do texto narra o caso da irmã Germana ao recapitular a impugnação de exames anteriores, feita pelo médio Antônio Gonçalves Gomide (trisavô do jornalista Miguel Ribeiro). Ele contesta a santidade de Germana no que se tornou o primeiro “registro médico-legal brasileiro”

Eis o texto de Chitobaldo Motta:

Prolegômenos Históricos (Exposição preliminar)

Preliminarmente, convém acentuar que o primeiro “registro médico-legal brasileiro” encontrado pelos profs. Flamínio Fávero e Oscar Freire em suas pesquisas bibliográficas foi elaborado em Minas Gerais e constitui-se do trabalho do médico mineiro Antônio Gonçalves Gomides intitulado “Impugnação do exame feito pelos clínicos Antônio Pedro de Souza e Manuel Quintão da Silva, em uma rapariga que julgaram Santa, na Capela de Nossa Senhora da Piedade da Serra, próxima da Vila Nova da Rainha de Caeté, Comarca de Sabará, oferecida ao Dr Manuel Vieira da Silva”.

Esse trabalho é datado de 1814 e foi publicado na “Imprensa Régia” no Rio de Janeiro.

Trata-se de uma religiosa, Irmã Germana, de 20 anos de idade, que, numa noite de quinta-feira santa do ano de 1813, subitamente caiu em êxtase, voltando a si às 15:00 horas de sexta-feira. Permanecia de braços abertos, como se crucificada, sem atender a ninguém a não ser seu padre assistente. Reproduzindo a imagem de Jesus crucificado, com a mesma posição dos braços e das pernas, gemendo e agitando-se, caminhando apenas alguns passos e alimentando-se pouco, fazia o povo julgá-la santa. Segundo Agripa de Vasconcelos, faleceu em 1856, no recolhimento de Macaúbas, tendo, sempre às sextas-feiras, os mesmos fenômenos.

Dr. Antônio Gonçalves Gomide nasceu, em 1770, na região de Matto Dentro, Capitania de Minas, formou-se em Coimbra, Portugal, e pela Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, dois berços da medicina legal européia. Em Edimburgo, no início do século XX, foi Professor de Medicina Legal o mais notável médigo-legista do mundo, Sydney Smith, que recebeu o título de Sir da Rainha da Inglaterra por suas atuações na Escócia, no Egito, no Ceilão e na Nova Zelândia. Deixou duas obras grandiosas, um texto de medicina legal e o livro Na pista dos assassinos -memórias de um médico-legista.

Segundo o Dr. Cyro Gomide Loures, o seu antepassado, o Dr. Antônio Gonçalves Gomide, nasceu em 1770, em Piranga, Minas Gerais. Fixou-se em sua terra natal, clinicando entre Caeté e Itabira. Além do trabalho referido, publicou vários trabalhos científicos. Faleceu no Rio de Janeiro em fevereiro de 1835.

Comentários estão fechados