Serra da Piedade, lendas e mistérios

Foto de público no Jubileu no Santuário Nossa Senhora da Piedade

Histórias de curas e milagres
atraíram a boa vontade do povo

Localizado no alto da Serra da Piedade, em Caeté (MG), a 1.783m de altitude, a origem do Santuário de Nossa Senhora da Piedade está ligada a muitas lendas, envoltas de mistérios.

Antigamente, dizia-se que os fundadores da capela seriam os assassinos de Inês de Castro que fugiram da perseguição das autoridades, levando com eles uma imagem de Nossa Senhora da Piedade. Chegando à Serra, ali ficaram escondidos para, mais tarde, construírem a igreja. Todavia, essa lenda não tem fundamento, uma vez que Inês de Castro faleceu em 1345, dois séculos antes da descoberta do Brasil.

Consta, também, que no século XVII chegaram à região dois fidalgos que com o seu espírito religioso, queriam fundar um eremitério. Eram eles, Bracarena e Lourenço, atribuindo-se ao segundo a fundação do convento onde está o seminário do Caraça.
O primeiro, Antônio da Silva, Bracarena, chegou um dia à Vila Nova da Rainha e, ao avistar a Serra da Piedade, rodeada de nuvens, achou que ali era apropriado para construção de uma capela em louvor à santa de sua devoção.

Foto antiga de público no jubileu)
Não se sabe quanto tempo durou a sua construção. O povo, a princípio, julgou que Bracarena fosse louco. Boatos, no entanto, sobre curas e milagres começaram a surgir e o velho ermitão passou a ser admirado.

Uma menina “muda de nascença” avistou várias vezes, à noite, a imagem da Virgem, e ficou curada. Um escravo, picado de cobra, bebeu água da fonte e imediatamente se curou. Também uma senhora que tinha a pele ferida ficou com o corpo completamente limpo, depois de beber da mesma água.

Os milagres convenceram o povo que passou a auxiliar na construção da capela e, em 1770, como está gravado no sino da torre, o templo ficou pronto.
A partir daí, a Serra passou a ser chamada de Serra da Piedade e nunca mais parou o movimento de peregrinos no local.

Comentários estão fechados